Ciclos Económicos em Gavião - Uma Nova Abordagem por Paulo Matos

BanifMais

 

2008 - 2009

 

 

 

Caixa Geral de Depósitos

2009-2010

 

 

Ministério da Saúde (Porto e Lisboa) - ACSS

2011

 

 

EDP (Sacavém e Lisboa)

2011

 

  Mota-Engil

2012 - 2013

 

 

Os ciclos económicos produzem rotineiramente uma alavancagem de partes da sociedade a condições de vida superiores à que havia anteriormente. Já a forma e a distensão da abrangência civil, depende muito do ciclo económico e sob que revolução tecnológica se está a induzir desenvolvimento.

 

Quando há uns anos, atrás houve pessoas a dizer, que a informatização das indústrias iria destruir a nossa sociedade ao nível da Emprego, errou. Tal como acontece na bolsa, em que parte dos investidores tem uma estratégia de diversificação ampla da sua carteira, e compram ações de empresas que vendem bens alimentares enlatados cheios de químicos, também compram ações pertencentes a empresas de produtos biológicos e frescos.

 

Assim da mesma forma, também nos ciclos económicos há atividades profissionais que perdem margem, mas outras que a ganham, e o essencial e fundamental, é antecipar estes movimentos.

 

Ora o concelho de Gavião foi terrivelmente enclausurado pela falta de visão de alguns dos seus políticos, principalmente o atual presidente, seja em parte porque a formação técnica é insuficiente e fora da área das ciências empresariais, mas porque também, promoveu a promessa “trabalho estável” assente no Estado, garantindo que esta condição seria imutável por décadas, uma visão que foi normal no pós 25 de Abril, mas que teria de ter evoluído, pelo menos ,desde o inicio do século XXI.

 

Por outro lado, e de forma global (não especificamente ao Gavião), a falta de cidadãos nos cargos políticos sem a experiência profissional desenvolvida em ambientes altamente competitivos não pode permitir a abertura de horizontes, nomeadamente a indução nas sociedades da existência de novas profissões, tal como a minha própria de Software Tester.

 

Ora a sociedade, e concretamente o mercado de trabalho de hoje mudou, e muitos ficaram para trás, no bloco dos desempregados.

Como era previsível, o trabalho administrativo local, passou para trabalho administrativo global, ou seja, fazemos tarefas administrativos que podem ter como destinatários clientes no mundo inteiro, ainda que os produtos/serviços em venda sejam locais.

 

Porém, nem todas as pessoas conseguem realizá-los, e nesse sentido este tipo de profissões, de base tecnológica foram fixando-se em Lisboa, e apenas agora, na última década, estão a entrar noutras comunidades como o Porto/Braga/Covilhã. 

 

É pois uma oportunidade única de trazer esse desenvolvimento, que se está agora a distender por Portugal, para o concelho. Desta forma, poderemos num curto espaço de tempo, induzir no mercado de trabalho uns 50 postos de trabalho de base tecnológica, que irão alavancar certamente o meio envolvente, como os pequenos trabalhos de construção civil e o sector HORECA (Hotéis, restaurantes e cafés).

 

Esta transformação, que está ao alcance de um voto, pode fazer a diferença entre o concelho de Gavião morrer ou revolucionar-se e amanhã termos um NOVO futuro.

 

Vamos lutar para ter um NOVO ciclo económico para Gavião, CONSIGO E PARA SI.

 

Gavião, 23 de Agosto de 2013

Paulo Matos

publicado por Paulo José Matos às 10:00 | comentar | favorito