Discurso de Apresentação do Candidato Paulo Matos à Câmara Municipal de Gavião - 2009

Discurso Paulo José Estrela Vitoriano de Matos

 

Caríssimos amigos,

Estamos hoje aqui para enaltecer o nascimento de um projecto político sério e responsável, mas de total ruptura com todo o que foi feito até agora.

 

Começo, como é óbvio por agradecer à minha família que sempre me apoiou em todos os meus projectos e ambições pessoais, e a minha candidatura à presidência da CMG é apenas mais um.

 

Agradeço também a todos membros PSD – Gavião, o facto de terem depositado na minha pessoa a sua confiança. E a confiança no desenvolvimento de um projecto ideológico completamente novo.

 

Saúdo com abraço todos os meus amigos pessoais, que sabem que para mim, lutar pela minha terra é algo natural!

 

Começo por citar as palavras de uma figura controversa mas ousada que sociedade portuguesa embrenha “Nunca se deve lutar pelo poder por causa do próprio poder, mas como instrumento para executar um projecto ao serviço das pessoas” Dr. Pedro Santana Lopes

 

O nosso programa é contido nas ambiguidades, não dizemos nem vamos dizer aquilo que não podemos ou não sabemos. Apresentamos propostas claras e objectivas.

 

Somos contra a política de embustes. “A política só faz sentido se basear num contrato de confiança entre os representantes e quem os escolheu.” Estas mesmas palavras são as da nossa líder – Dra. Manuela Ferreira Leite.

 

Enquanto gavionenses, quem somos?

Qual a nossa identidade?

 

Não somos carne nem peixe, na década de 30 os correios postais indicavam que éramos beira baixa, na actualidade juridicamente resolvemos assuntos no Ribatejo.

 

Esta verdade para a qual vos quero alertar é que somos verdadeiramente Norte alentejanos, uma população específica com cultura e linguagem própria.

 

Se Comenda é mais Alentejo, Belver é Beirã e Margem (tal como o nosso concelho vizinho de Ponte de Sôr) bem podia ser novamente parte do Ribatejo… nunca esta população teve uma política séria de integração, onde está o plano de mobilidade? Existe algum serviço público que faça transporte entre todas as sedes de freguesia do concelho? Não!

 

Como é possível que para um idoso de Moinho do Torrão seja mais fácil ir a uma viagem de lazer à Figueira da Foz que deslocar-se à praia fluvial do Alamal, ou ainda à (quase abandonada) ribeira da venda em Comenda!

 

Falemos de emprego, ou melhor, não falemos é que este está ausente do nosso concelho! Que dizer ao partido que actualmente que governa o município para além de: Sinto o resultado das vossas políticas vendo os vossos filhos partirem para os grandes centros urbanos. Isto diz tudo caros amigos.

 

Não existe apoio à comunidade empresarial, e as ideias que existem são frouxas! É preciso acção!

 

A família, não poderia deixar de mencionar novamente a questão da família. Ela é quem nos cuida, nos dá educação e é o nosso suporte para uma vida.

Confesso novamente que é por eles que estou nesta luta!

 

Lutar ideologicamente num concelho que está sendo despesista, luxurioso até (…) explicar que gasta dinheiro mal gasto, não é fácil!

 

A verdade é que o apoio médico é insuficiente, e os cuidados de paliativos (e.g. fisioterapia) esboçam o ridículo. Temos um centro de saúde sobredimensionado que está a espera de adquirir novas valências, assim haja a vontade, porque a necessidade essa, essa existe!

 

Sofremos um esvaziamento demográfico que só não é tão profundo, porque temos uma geração que volta às origens. Mas acaba ela própria por se sentir desiludia com o que vê…

 

A cultura, desporto e turismo são algo místico neste município, confundem-se até! Temos projectos concretos em todos esses âmbitos!

 

Este é um ponto de não retorno, só podemos avançar em força para um novo projecto…

 

A minha última palavra é para aquilo que também eu represento para a juventude! Tenho propostas concretas para vós/nós, sei que são revolucionárias, mas acredito ter parte da visão!

 

Vou lutar para que o emprego seja o norte dos próximos quatro anos, vou lutar para que as propostas que estão no programa sejam executadas a tempo de não terem de abandonar este concelho, que tanto nos é querido.

 

Pois eu bem sei o que é ter viver com a angustia de deixar cá os nossos pais, sem lhes poder devolver de forma continuada, aquilo que eles nos deram… o seu carinho a sua atenção!

 

É tempo de lutarmos. Obrigado a todos por terem vindo,

Viva Gavião, Viva Portugal

publicado por Paulo José Matos às 23:59 | comentar | favorito