Opiniões... por aí!

Leilões & opiniões

13/02/14 00:05 | Rita Marques Guedes

 

Esquerdas. O PS desorienta-se, o BE desagrega-se e o PCP sobrevive agarrado a um líder de fortíssima empatia popular e a uma máquina com motor CGTP, imbatível nos protestos de rua.

 

Eis o quadro à esquerda, com a acrescido prejuízo pela estranha ausência das declarações do dr. Mário Soares, agora algo silencioso depois de tempos frenéticos e temperamentais a disparar para todos os lados. Não acredito que tenha optado por uma atitude ponderada de primeiro observar para depois falar... provavelmente, após tanta actividade, esgotou o eco dentro e fora do seu espaço politico. Quando se fala demais é grande o risco de perder o sentido da oportunidade ou descapitalizar créditos. Ou ambos.

É nesta situação que as esquerdas se vão apresentar, daqui por cerca de dois meses, às eleições europeias. A conjugação deste estado de debilidade visível, acrescido de uma também notória recuperação dos índices económicos do País, não traz nada de bom em termos de previsão de resultado quer para o BE quer, sobretudo, para o PS. Pior, o que o caminho indicia é a possível vitória da coligação de Governo, estranhíssimo facto numa eleição normalmente tida como de protesto. Não se esperem para já, no entanto, grandes mudanças no PS. Internamente, o lema deverá ser o de deixar apodrecer para depois voltar a semear. É uma derivação do quanto pior melhor, para que seja Seguro a sair pelo seu próprio pé ao invés de empurrado por uma intriga interna num ‘remake' do que no passado já se tentou fazer, sem grande sucesso. O espaço e a oportunidade agora são outros, bem mais susceptíveis ao surgimento do incontornável e desejado dr. Antonio Costa, finalmente à bica de, sem grande esforço, vir a ocupar a sua cadeira de sonho.

Cabeças e sentenças.

Temos sempre opinião, ainda que com pouca razão. E passamos semanas a discutir os temas como se os maiores entendidos neles fossemos. Discutimos as praxes, o dux e os códigos de uns imberbes armados em académicos, reproduzimos realidades e sentenciamos culpados. Tudo em dias intensos de aberturas de telejornais, primeiras páginas de jornais, debates intensos nos cabeleireiros, supermercados, táxis, à mesa em família, por aí fora... e depois, os Mirós, quais entendidos em artes e vestidos de leiloeiros profissionais, também leiloámos informação e transaccionamos certezas e razões, fundados em mais um caso que nos ocupou o dia-a-dia e que inundou os guiões noticiosos, com um Secretário de Estado a tentar explicar o inexplicável, uma frente de combate do PS fazendo disto um caso nacional, à mingua de temas a que se agarrar, e a PGR numa actividade mediática e assertividade discursiva como raras vezes a tínhamos visto. Tudo a debater Mirós e a importância das suas obras, ou não, para o património cultural do País... e depois ainda veio a lã de rocha e mais a cobertura do estádio da Luz, com o povo sereno a abandonar o recinto, evitando tragédias maiores, e ao mesmo tempo discutindo o nexo de causalidade entre o voo da lã de rocha e a queda da chapa de zinco ... estamos em meados de Fevereiro, o Benfica ganhou ao Sporting, lidera o campeonato, o Porto definha e bem me quer parecer que passadas as praxes, os Mirós e a lã de rocha, vai começar a onda de entusiasmo da nação benfiquista, a qual não deixará espaço para mais nada... ah, é verdade, Portugal continua a fazer emissões de divida com sucesso garantido, os juros continuam a cair e a ‘troika' vai embora em Maio.

 

Fonte: http://economico.sapo.pt/noticias/leiloes-opinioes_187036.html

publicado por Paulo José Matos às 12:30 | comentar | favorito