CONVENÇÃO NACIONAL DE JOVENS AUTARCAS - POMBAL

Caros amigos,

 

Apesar da intensa vida profissional que levo (e que me rouba alguns fins de semana para investigação), é também com dedicação possível que encaro a causa ideológico partidária que defendo.

 

Desta forma, foi com imenso orgulho que me apresentei perante os meus ilustres congéneres no congresso de Autarcas da JSD, em Pombal realizado no dia de hoje.

 

Irei dividir o dia em três períodos.

 

1) Durante a manha ouvi com atenção a mensagem de acalmia política que o secretário-geral do PSD Miguel Relvas fez transmitir à imprensa nacional, nomeadamente na inquirição desta sobre qual era a posição politica do PSD no desnorte governativo que Luís Amado (Negócios Estrangeiros) vê na actual governação (da qual aliás, faz parte).

 

O primeiro painel do dia teve como mote “Mudanças no Poder Local – o Presente e futuro da organização, o financiamento e eleições das autárquicas locais. Oradores: Armando Viera (Prés. Assoc. Nac. Freguesia) e Paulo Cunha (VP C. M. de Vila Nova de Famalicão)

 

Ouvi coisas assombrosas:

  • a soma do endividamento autárquico é menor que a totalidade do endividamento da empresa pública REFER! De por as mãos na cabeça!
  • O orçamento no Fundo de Financiamento de Freguesias (Orçamento de Estado 2011) apenas representa naquele bolo 0,1089%, o que é uma gota num oceano e explica em parte, a incapacidade dos presidentes de junta puderem fazer o que quer seja!
  • Que a baixa execução do CREN, nos projectos municipais, pode não ser mais que um guardar de dinheiro para investir em projectos megalómanos, antecipando o receio que pode não haver dinheiro da banca tradicional disponível, dado o nosso já endividamento externo.

 

Neste painel, e dado o tema de financiamento tive de intervir para introduzir um tema que me é caro, isto é o tema da qualidade de dívida à banca, como suporte para financiar candidaturas a projectos co-financiados e muitas vezes de utilidade pública questionável.

 

2) No painel da tarde, debateu-se “Nova Geração de Políticas Locais”, em que os oradores foram Carlos Carreiras (VP C. M. Cascais e Prés. Inst. Sá Carneiro) e António Jorge Nunes (Presidente da Câmara Municipal Bragança).

 

Duas intervenções profundas do que se tem feito em Cascais e em Bragança, e uma grande constatação, se for aprovada o nosso alargamento da plataforma marítima, Portugal fica com um território do tamanho da Índia! Uuuuuaaahhhh, nunca tinha pensado nisso dessa forma! Portugal vais pois de redescobrir como se pesca, e voltar a armar um frota pesqueira à séria se quer aproveitar esta grande oportunidade!

 

3) Precedente ao painel de encerramento em que contou com as intervenções de Narciso Mota (Prés. CM Pombal), Fernando Marques (VP CPD Leiria do PSD), Presidente da JSD, Pedro Rodrigues, e o Vice presidente do PSD, Dr. Marco António Costa, houve um período para partilha dos presentes e singulares participantes. Neste momento também eu dei o meu contributo ao evento.

 

Minha Intervenção :

 

 

Agradeço a todos os que aqui estão presentes, pela sua disponibilidade em participação neste evento. Ao ouvir as várias mensagens nas intervenções anteriores, senti-me também eu impelido a vir aqui prestar testemunho dizendo-vos duas pequenas palavras/mensagens: ESPERANÇA e ABNEGAÇÃO.

 

Em primeiro, ESPERANÇA, porquê? Porque nós jovens, na nossa sociedade temos de ser os últimos a poder perder este ideal. No meu caso, a esperança que vós falo é a esperança em que num futuro não muito distante as nossas autarquias locais possam ter a capacidade de empregar jovens, em particular jovens que tem talento, que apostaram fortemente na sua educação com cursos superiores, e que neste momento estão desempregados. E de que forma é que incutimos essa esperança? Com o nosso exemplo ao enveredar por novos desafios, certamente.

 

Há dois anos atrás ninguém na JSD/PSD sabia quem era Paulo Matos de Gavião. No verão de 2009, em apenas 15 dias organizamos cerca 80 assinaturas… e que resultado essas assinaturas fizerem meus caros… permitiram dar o primeiro passo para a reconstrução do Partido Social Democrata no Concelho de Gavião, permitiram em última análise conquistar um pelouro de vereador na câmara! O partido socialista conquistou cerca de 1700 votos, e nós representamos 700 cidadãos. É pois que com muito orgulho, que eu Paulo Matos, o candidato mais jovem (à data com 24 anos) à presidência de uma câmara integrado numa estrutura do PSD nas autárquicas de 2009 recebi este resultado de crescimento do partido no meu concelho. É pois sinal de nós jovens temos valor, mérito, e a vontade de lutar pelo futuro que é nosso e que queremos melhor, é esta a nossa ESPERANÇA.


ABNEGAÇÃO é me uma palavra muito cara caros companheiros. Não nos iludamos o serviço público que a juventude pode prestar tem constrangimentos, no meu caso em que o meu trabalho decorre em Lisboa, e sou vereador sem pelouro no Alto Alentejo, o acesso à documentação não é o mesmo em comparação com quem tem efectivamente o poder executivo e está lá todos os dias, ainda assim, a documentação que me chega é analisada com o cuidado possível, para que no debate de reunião estejamos todos perante os mesmos dados. Mas a minha posição e opiniões têm uma vantagem que poucos vereadores podem dizer valer-se, eu posso ser completamente idóneo, eu tenho a coragem de ouvir todas as pessoas, e fazer representar todos os interesses possíveis, e porquê? Porque não tenho qualquer ligação ao município do ponto de vista laboral, e isso é uma grande vantagem. Actuo sem constrangimentos, apenas procurando o bem comum. Nesta minha jornada, vou quinzenalmente a uma reunião de câmara, e abdico a desfavor da minha vida pessoal, de grande parte das minhas férias (pessoais) a que tenho direito numa empresa privada onde trabalho, para poder-me deslocar nesse dia, a meio da semana à minha terra, colocando os interesse públicos que assumi, acima dos meus pessoais.

 

Concluindo: ser jovem é ter a coragem de assumir um exemplo de ESPERANÇA e ABNEGAÇÃO, para que consiga-mos trazer mais jovens para esta batalha, uma luta com um sentido claro de voltar a dar oportunidades aos jovens no interior de Portugal. Por isso, vós peço, chamem todos os jovens quanto conseguirem, Portugal precisa de nós.

 

publicado por Paulo José Matos às 01:00 | comentar | favorito