Intervenção programada enquanto vereador na Câmara Municipal de Gavião

 

Preambulo (Não apresentado na reunião de câmara)

 

Os constrangimentos sobre as políticas camarárias que me tem sido dirigidos via telefone, email e pessoalmente são muitos.

 

Tenho dentro da possibilidade que o cargo de vereação permite apresentá-los (a todos), ainda que de forma faseada, tendo em atenção também o calendário da proposta / sugestão.

 

Hoje, mais uma vez, apresento duas situações que me parecem relevantes, com o único objectivo de promover e acelerar o debate público sobre as matérias e suas resoluções.

 

É meu intuito que no final do mandato, possa dizer que ajudei a agilizar a realização de obra e não o contrário, essencialmente porque Gavião não pode ficar parado.

 


 

Apresentado na reunião de câmara de hoje

  • Fora da ordem de trabalhos

Gavião, 2 de Março de 2011

 

Caríssimo Presidente e Vereadores,

 

Trago-vos hoje dois temas, um de âmbito localizado a uma povoação em espefico e que de muito valor acrescentado, em termos de imagem tem trazido ao concelho de Gavião, e outro que é apenas uma pequena nota, de várias que me têm sido remetidas a título de sugestões para a comemoração do 25 de Abril 1974.

 

1. O Centro Cultural Recreativo e Desportivo da Ferraria pela organização anual, e que em breve se repetirá, do Rali todo terreno pontuável para o campeonato Nacional de Todo o Terreno da Federação de Motociclismo de Portugal, tem dado à região uma imagem externa do concelho de Gavião bastante apelativa e positiva. Mas a Câmara Municipal na minha rigorosa opinião política, não tem sabido retribuir e nem tanto à associação mas às boas gentes daquela povoação na mesma moeda, e digo isto por dois exemplos que passo a relatar.

 

O primeiro exemplo é a antiga Escola Primária que está a entrar numa fase de pré-ruínas, facto constatável a olho nu a todos os eleitores que se tiveram que deslocar àquele espaço no último acto eleitoral para exercer o seu dever cívico, e bastantes queixas fizeram sobre as condições. Tanto quanto pude apurar, já terá sido feita em tempos, uma sondagem sobre a possibilidade da Câmara de Gavião recuperar/reabilitar o espaço e depois arrendar à associação, ou mesmo vender o terreno em definitivo, mas nenhuma destas situações chegou a bom porto, continuando assim o imóvel o seu natural processo de degradação.

 

Esta situação não pode continuar, e é dever do município demonstrar que existe um plano de reconversão de todos estes imóveis e com objectivos definidos, sejam eles para apoiar as associações culturais e desportivas, ou em última análise valências sociais. Neste âmbito, recordo que também Vale da Vinha tem uma escola primária em degradação contínua.

 

Mas voltando à povoação de Ferraria, dou-vos outro exemplo de como não se tem apoiado as necessidades dessa população em específico.

 

Nesta povoação também não há casa Mortuária e o que por vezes tem acontecido, é que os entes falecidos são velados na própria habitação que os teve em vida, porque parte da população rejeita ser na capela.

 

Ora, isto não é de todo aceitável, porque na área confinante à capela existe um espaço capacitado para a potencial construção da casa mortuária que, até eventualmente, poderá ser recebido por doação.

 

Salvaguarde-se  que as despesas de regularização seriam pagas pela Câmara Municipal de Gavião.

 

Concluo assim, de forma desprovida de mais considerações que havendo obra a fazer em prol do bem estar das populações, não se tem feito por inércia.

 

2. Aproximamo-nos do 25 de Abril, e não tendo ainda sido disponibilizada a agenda, foram-me sugeridas algumas boas ideias. Apresento a que mais consenso teve, e assim por que não fazer uma exposição de pintura e fotografia, de vários autores do nosso Concelho, que estão em crescendo na nossa sociedade. Sendo desde logo sugeridos para pintura Emanuel Bettencourt (Kikas), Augusto Labronso, Ricardo Gigante e Conceição Gadeiro, e na fotografia Telmo Gil.

 

 Tenho terminado.

 


 

publicado por Paulo José Matos às 11:58 | comentar | favorito