Acabou...

ACABOU.

 


http://dre.pt/pdf1sdip/2011/03/06401/0000200002.pdf

 

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Decreto do Presidente da República n.º 38-A/2011

de 31 de Março

 

O Presidente da República decreta, nos termos do artigo 195.º, n.º 1, alínea b), da Constituição, o seguinte:

É demitido o Governo, por efeito da aceitação do pedido de demissão apresentado pelo Primeiro -Ministro, Engenheiro José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa.

 

Assinado em 31 de Março de 2011.

Publique -se.

O Presidente da República,

ANÍBAL CAVACO SILVA.


 

http://henricartoon.blogs.sapo.pt/334524.html


http://aeiou.expresso.pt/socrates-school-of-economics=f641065

 

Henrique Raposo, A Tempo e a Desmodo 

 

Vieira da Silva, José Sócrates, o PS inteiro e o meio "jornalismo" (gosto muito de ouvir analistas que não passam de protectores oficiosos do PS e de Sócrates) criaram uma nova escola de pensamento económico, a saber: a Socrates School of Economics (a malta, lá fora, tira o acento ao nosso primeiro). Esta escola decreta que um país pode entrar em bancarrota total em apenas uma semana e somente por causa de uma acção parlamentar. Esqueçam os anos de má governação, esqueçam os anos de más escolhas de política económica, esqueçam os anos de incompetência dos ministérios das finanças. Nada disso é verdade. Nada disso conta. Segundo esta brilhante escola, a bancarrota surge quando uma borboleta, a oposição, bate as asas. É essa inocente borboleta que, num simples acto, causa a destruição.  

 

Portanto, para a SSE (Socrates School of Economics), a bancarrota surge por artes mágicas, porque existem umas pessoas más (a oposição) que não seguem as pessoas boas (o governo). Ou seja, a bancarrota é uma espécie de acto de vontade, e não a consequência de políticas concretas conduzidas ao longo de anos. Para a Socrates School of Economics, Portugal está na bancarrota porque a oposição revelou má vontade, porque a oposição quis essa bancarrota. E quis porquê? Ora, porque está coligada com o Sauron do guito, o FMI. 16 anos de governação PS não contam para nada nesta perspectiva epistemológica revolucionária no campo do pensamento económico. Genial, pá.  

Não sei se a Socrates School of Economics conseguirá vencer o Nobel da Economia, mas como literatura não está mal, não senhor: é a aplicação do realismo mágico aos assuntos económicos.  

 

publicado por Paulo José Matos às 09:00 | comentar | favorito