Historico IV

Quinta-feira, 19 de Julho de 2007
2 meios flops da gestão autarquica do concelho de Gavião
2 meios flops da gestão autárquica do concelho de Gavião


Espero que tenham gostado do titulo, mas o que vos vou falar é de três assuntos, diversos mas unos por pertencerem à gestão da Câmara Municipal de Gavião:

1 - Feira Medieval

 O ano passado no jornal regional Primeira Linha (jornal regional da zona de +-Abrantes) em entrevista pessoal o Prof. Jorge Martins (presidente da CMG ) dizia que provavelmente em 2007, a feira medieval não ocorreria e teria mesmo de ser repensado o seu modelo, justificando-se principalmente com a falta de estacionamentos condignos à disposição dos visitantes!

 Acontece que felizmente a feira ocorreu, e a vila de Belver estava melhor preparada para o evento pois foram preconizados bastantes melhoramentos nas ruas históricas , desde uma calçada nova e uma expansão das bermas, fazendo o resguardo em betão armado. Não foi a solução totalmente prometida (falta os parques de estacionamento externos nas entradas da vila), mas foi muito melhor ao nível de circulação.

 Já a feira medieval em si foi "mais do mesmo"! Num primeiro ponto tinha "tiques" de feira islâmica, depois não houve novidades nenhumas na agenda, assalto ao castelo, banquete, trovas, julgamentos de infiéis , enfim valeu pelo bom motivo de ser diferente dos dias normais...

2 - Feira da Gastronomia

 Gavião tem um festival único ao nível da gastronomia ao nível distrital!

 Somos o único concelho que ainda se baseia no modelo antigo destas montras gastronómicas! Este modelo baseava-se essencialmente em financiamentos públicos (autárquicos, governamentais e europeus), para trazer artistas de algum renome nacional aliando um bom menu, pagando-se só o que o garfo leva à boca (e mesmo assim mais de metade dos clientes eram convidados com refeição PAGA)!

 Hoje em dia, o QREN (2007 a 2013) ainda não começou a ser distribuido, e irá ser o ultimo, sendo que o governo pretende dividir esse bolo para sectores mais inovadores e tecnologicos.  Já não será um "patrocinio" a este tipo de festas. É pois, necessário modificar o modelo para que não se perca mais um motivo de orgulho gavionense...

 Mas relatanto na primeira pessoa, e não sendo propriamente imparcial a "feira da gastronomia" estava apetitosa e recomendava-se (nem que seja pelos rumores, de que a ANSAE pré-inspecionou as condições dos restaurantes - não consegui confirmar), mas os artistas... só contemplaram um publico alvo (jovens menores de 18 anos e apenas no primeiro dia), e isto é a verdade!

Pergunto eu, então se a entrada para o recinto se paga-se 1/2 euros por pessoa (valor simbólico mas importante, nem que fosse para pagar alguma logistica, fazendo uma conta simples 3000 visitantes x 2 € = 6000 €), a festa não teria mais condições para poder apresentar algum nome mais tocante aos outros públicos alvos? Não nos podemos esquecer que se trata de um concelho envelhecido, talvez um José malhoa, ou algo do genero!

Enfim quem foi à feira para comer, saiu satisfeito! Quem foi para passar um bom serão talvez, nem tanto!

publicado por Paulo José Matos às 17:41 | favorito