Há um novo comandante nos Bombeiros Muncipais de Gavião

Caros conterrâneos,

 

Na semana passada ocorreu uma deliberação municipal que tenho de dar nota aqui neste meu espaço.

 

Como nota prévia, refiro que de acordo com o artigo 84º do decreto-lei 169/99, 18 Setembro com todas as alterações decorrentes, as reuniões do executivo de câmara são públicas, sendo que redacção em acta dos acontecimentos por forma à sua publicitação também existe por força da mesma lei.

 

Artigo 84.º

Reuniões públicas

1º - As sessões dos órgãos deliberativos das autarquias locais são públicas.

 

 

No fazer cumprir a lei, há um misto de boa vontade e outro de seriedade, há um limite moral, e outro legal.

 

Em caso de dúvidas da moralidade, devemos socorrer-nos da aplicação máxima (possível) legal.

 

Os indivíduos que querem trilhar um caminho livre e isento, percebendo que fazemos parte da solução e não do problema e que agimos sempre com uma postura/atitude séria, civilizada e íntegra, não dão azo a que seja posta em causa a legalidade das decisões.

 

Da esquerda para direita: Vereador Manuel Morais, Vereador Francisco Louro, Vereador Paulo Matos, Pres. J.F. Comenda Eusébio Gaspar, Ex. Comandante Bombeiros Municipais de Gavião Joaquim Pereira, Governador Cívil Portalegre Jaime Estorninho in comemorações 25 de Abril no largo do município - Ano de 2010

 

Assim, a 19 de Maio do ano 2010, foi colocada à discussão a proposta única para nomeação do Vereador Francisco Louro para Comandante dos Bombeiros Municipais de Gavião.

 

Artigo 90.º

Formas de votação

6º - Não podem estar presentes no momento da discussão nem da votação os membros do órgão que se encontrem ou se considerem impedidos.

 

O caríssimo Vereador Francisco Louro, acusando o carácter legal de não poder estar presente no momento do debate e votação, ausentou-se da sala cumprindo ESCRUPULOSAMENTE a legalidade do acto, deixando a consideração do restante quórum a análise e posterior votação.

 

Esta atitude para com os meus ideais políticos e morais, revelou-se pautada de valor e correcção. Os meus parabéns caro cidadão Francisco Louro.

 

Já a análise feita com base na opinião pessoal de cada um dos membros é tão subjectiva quanto o interlocutor em questão.

 

As nomeações para os cargos de interligação directa à presidência da câmara, são o cunho pessoal do presidente em exercício, desta forma o âmbito a discutir é estritamente circunspecto.

 

A minha apologia em termos de nomeação, por ventura, será mais clássica, pois gosto do currículo de papel recebido com a antecedência devida, dando espaço ao pensamento crítico.

 

Fim de redacção.

publicado por Paulo José Matos às 23:01 | favorito