16
Set 17

Coligação Gavião para Todos, Um Concelho de Todos - Autarquicas 2017

Equipa Coligação Gavião para Todos, Um Concelho de Todos - Autarquicas 2017

outdoorgrande2.jpg

 

Candidatos à Câmara Municipal

camara.jpg

 

Candidatos à Assembleia Municipal

Assembleia Municipal.jpg

 

Candidatos à Junta de Freguesia de Belver

belver.jpg

 

Candidatos à União das Freguesias de Gavião e Atalaia gaviao atalaia.jpg

 

 Candidatos à Junta de Freguesia de Comenda

Comenda.jpg

publicado por Paulo José Matos às 01:00 | comentar | favorito
18
Jul 16

Comunicado do Ex-Vereador da Câmara de Gavião, eleito pelo PSD: Paulo José Matos

 

 

Esta é a hora de ser um pai presente e embevecido.

Esta é a hora de ser um neto agradecido à avó materna, que tudo deu para me criar, e está nos seus últimos anos de vida, pelo que merece todo o carinho que eu possa presentear em tempo de vida.

Esta é a hora de voltar a contribuir efetivamente com o meu suor, no cultivo da “terra” que sempre foi o rosto da família simples a que pertenço, mas e em simultâneo sempre foi reconhecida por todos como honestamente trabalhadora.

Esta é a hora de empenhar tudo e o infinito na vida profissional, quiçá até em terras distantes de Maputo (Moçambique).

Esta é a hora de voltar a ser um cidadão entre outros.

 

Durante 7 anos, servi a causa pública da minha autarquia pois foi esse o mandato que o povo me delegou, e pelo qual sou eternamente agradecido.

Durante 7 anos, fiz sacrifícios pessoais dos quais, apesar de tudo me orgulho… como utilizar os meus dias de férias (em vez de os gozar) para estar presente em reuniões de câmara, sem prejudicar a minha entidade empregadora.

Durante 7 anos, lutei contra uma maioria socialista que não consegue evoluir, e aplica uma receita de políticas públicas abrutalhada e que serve apenas a destruição de dinheiros públicos. Nada mais são que políticas estéreis, em que o investimento não gera retorno, só despesa futura para a câmara.

Acredito, sem qualquer dúvida, que dentro de duas a três 3 décadas, e não sendo invertidas estas politicas, o resultado surgirá sem surpresas, e de forma esmagadora, no desmantelamento do concelho de Gavião. Todos os anos a autarquia Socialista de Gavião gasta mais de MEIO MILHÃO DE EUROS só em festas, almoços, jantares, participações de eventos, EMBEBEDANDO deliberadamente um povo que nunca teve muita riqueza, mas que com esta receita de entorpecimento, mais pobre fica a cada dia, financeiramente e espiritualmente.

Foram, portanto, 7 anos desperdiçados em que lutei contra uma maioria que desaproveitou tempo e dinheiro numa batalha perdida para a inépcia e ingerência.

 

O resultado que já nesta hora em que deixo as funções públicas podemos constatar chama-se agravamento do processo de “DESERTIFICAÇÃO”. O concelho de Gavião, tem das freguesias mais envelhecidas de todo o Portugal e mesmo da Europa. Custa tanto ver ruas e ruas sem uma única casa habitada. Se em 2001 a população gavionense compreendia perto de 5.000 cidadãos, agora ronda um pouco mais de 3.000.

Durante 7 anos, fui continuamente enxovalhado, ridicularizado na integridade pessoal tanto pelo Ex-Presidente Jorge Martins, como em particular, no último ano com o atual Presidente José Pio. Façam o favor de ler as atas, e apesar de terem sido suavizados os termos, as ofensas estão lá.

E porquê?

Porque o projeto que defendi e tive o orgulho liderar queria revolucionar o modo de pensar e fazer política local. Queria, queríamos sempre duas coisas, democratizar o acesso à função pública, acabando as “cunhas” conhecidas de todos, e iriamos fazer uma aposta na captação de empresas, séria e inovadora na região, e saísse ela vencedora ou não, pelo menos o concelho de Gavião poderia dizer a todos que, ao menos, tentou.

Acredito que este esquema feudal que obriga cidadãos a mendigar às escondidas de outros uma possibilidade de trabalho aqui ou ali, acabará, seja por via da justiça que se torne mais eficaz ou porque o concelho de Gavião poderá ficará sem poder político local, ficando apenas com uma junta de serviços públicos.

Ah… a juventude, essa é cada vez a mais afetada com este sistema corrompido.

Não saio triste, porque dei tudo o que podia e quem me conhece sabe que sim. Não saio pontapeado pela lei, como outros, saio pelo meu pé porque este é o meu momento, porque fui para a vida pública para servir e nunca, em momento algum quis o poder pelo poder.

 

Por último, queria agradecer a todos os cidadãos que me ajudaram nas duas candidaturas que protagonizei (2009-2013, 2013-2017), sendo que peço humildemente desculpa onde lhes falhei, mas e se puderem na vossa amnistia, considerem-me também como humano, e sendo humano, também eu erro.

Apesar de existir um núcleo “duro” de sociais-democratas no concelho de Gavião, tenho o dever moral de agradecer a uma pessoa em particular e que dá pelo nome de Saúl Pereira.

Foste um pai na política social-democrata gavionense para mim.

Sofreste pessoalmente e profissionalmente desde muito novo ao enfrentares este ambiente socialista gavionense hostil. Mas mesmo assim, no dia em que um miúdo de 24 anos (com sangue na guelra e alguma imprudência) te bateu à porta, te pediu apoio, experiencia e principalmente contactos, não fugiste à responsabilidade e ajudaste-me.

Mesmo, sendo um ex-candidato a presidente de câmara, não te importaste de me apoiar sendo candidato (2009) à junta de freguesia da qual partilhamos residência – Gavião… mesmo sabendo que o nosso modo gavionense nem sempre perde a oportunidade de mandar uma laracha e dizer que tinhas descido de “cavalo para burro”. Mesmo sendo um ex-candidato a presidente de câmara na segunda candidatura (2013), não te importaste em me apoiar sendo o meu número 2 para o que desse e viesse.

Um número 2 que na verdade foi sempre o número 1 ao conhecer todos os cidadãos deste concelho, todas as casas e ruelas e azinhagas e lugares deste concelho, todas as dificuldades deste concelho, todas as histórias felizes e infelizes dos nossos cocidadãos.

Obrigado, GRANDE SOCIAL DEMOCRATA e amigo Saúl.

 

Ao sucessor na lista do PSD Gavião, agora legalmente constituído com a minha demissão, e que dá pelo nome de Eduardo Pereira, acredito que será um sucessor condigno por vários motivos, mas por um principalmente por dois:

  • Não é comum ou usual, um funcionário público ter a coragem de sair do comodismo profissional e enveredar pela cidadania ativa, sabendo de antemão, que saindo perdedor do combate autárquico, era perdedor na “casa” do seu próprio “patrão”.
  • A freguesia donde é originário, Belver é só aquela onde o caciquismo politico está mais enraizado! Onde ser diferente (PSD) é um ato de coragem enorme, que pode colocar em risco até a convivência da sua própria família com a comunidade.

…Está no campo das impossibilidades, ser narrador em causa própria e confesso que não sei como serei recordado em terras gavionenses, mas sei como recordarei estes 7 anos… e como alguém um dia disse

 

“Não me despeço, não vou estar por aqui, mas vou andar por aí”

 

Obrigado

paulo-matos@outlook.com

 

 

 

publicado por Paulo José Matos às 13:00 | comentar | favorito
20
Jan 16

Intervenção programada - Vereador Paulo José Matos - Câmara Municipal de Gavião

Paulo Matos.png 

Gavião, 20 de Janeiro de 2016

 

Exmo. Sr. Presidente, Srs. Vereadores,

 

Voltando hoje este salão nobre dos paços do concelho de Gavião, depois do gozo de uma licença parental de 3 meses sinto que nada até aqui está igual e é necessário fazer um ponto de reflexão prévio.

 

Durante estes três meses a nível nacional ocorreram eleições legislativas que legitimaram duplamente a coligação PSD-CDS para governar Portugal, tanto em número de eleitores como em número de deputados na Assembleia da República. Não obstante e quebrando a tradição democrática portuguesa com 40 anos e acolhida por todos os partidos democráticos até então, hoje temos um governo Socialista com patrocínio da esquerda radical, anti Nato, anti Europa, anti Euro, anti iniciativa privada, anti meritocracia e entre outros. Reforço que a tradição democrática que aludo foi sempre cumprida pelos partidos PSD e CDS quando se formaram governos minoritários pelo partido socialista pois a regra parecia simples, quem vence eleições forma governo.

 

Vivemos portanto um tempo novo com regras e alianças muito voláteis, adaptemo-nos portanto.

 

Parece-me assim importante, e aqui no meu regresso ao local onde se debate política a nível local, fazer um balanço destes dois anos.

 

Nestes dois anos, a governação liderada pelo socialista e presidente José Pio teve a capacidade de resolver problemas identificados pelos munícipes de gavião, onde se incluem, sem a menor das dúvidas, militantes do PSD com e sem funções autárquicas. Das situações que não estavam resolvidas em 2013, boa parte foram mesmo criadas na anterior governação socialista pelo ex-presidente Jorge Martins. São exemplos concretos dos problemas resolvidos pelo Presidente José Pio:

  • A anterior má tomada de decisão na Opção Gestionária que afetou os funcionários da câmara,
  • O término da resolução do imbróglio jurídico com o autocarro do município e o dos contentores enterrados,
  • O travar das ações jurídicas contra cidadãos por questões territoriais menores,
  • A reabilitação do Mercado Municipal, das Piscinas Municipais Cobertas,
  • A implementação de soluções para anular o risco cancerígeno do Ar Condicionado do Cineteatro de Gavião,
  • O protocolo de aceitação do edifício da Casa do Povo de Gavião,
  • A pressão para a resolução do problema do encaminhamento dos doentes de saúde para Abrantes invés Portalegre,
  • A pressão para a retoma da empreitada na ponte de Belver,
  • Os apoios às IPSS no valor de vários milhares de euros, e nalguns casos não existindo estes, estas podiam falir como está bem expresso na ata de 2 de fevereiro de 2015 em relação ao Centro Social Belverense.

 

Em todas estas decisões o PSD Local esteve ao lado do atual executivo socialista, e mesmo fazendo a devida pressão no governo central que até então era da sua cor partidária para que também ajudasse. Em suma, poder-se-á disser que o atual presidente, o socialista José Pio fez as pazes com a população do município ao resolver problemas concretos e colocando alguma alegria nos nossos concidadãos e exemplo disso é a programação nas épocas festivas como se constatou pela segunda vez, na quadra natalícia de 2015.

 

Por termos de ser honestos e diretos, temos agora de referir que nestes dois anos foram surgindo situações tardiamente reveladas sobre a anterior gestão do executivo socialista, e que nada favorece a tarefa de governar o município que com um orçamento anual de 8 milhões de euros procura, ainda assim, manter um ambiente de finanças saudáveis, tanto para o presente, como para futuro. Relembro desde logo o buraco de 1 milhão de euros, aberto a 22 de fevereiro de 2014, decorrente da estimativa exagerada de reembolso do IVA em 1.4 milhões de euros e que resultou apenas em perto de 300 mil euros. Já em abril de 2015, os deputados municipais eleitos pelo PSD Carlos Arez e Carlos Chambel alertavam para as dúvidas que existiam sobre o valor do inventário, facto comprovado em Agosto de 2015, no Relatório do Revisor Oficial de Contas em que dizia “O imobilizado do município representa 90% do activo.” e “Entendemos necessário que se proceda a uma análise individualizada de todos os bens registados no património. Alguns podem já não existir ou estarem inoperacionais”. Ou seja, toda a arquitetura financeira do município pode estar desenhada bem acima das suas possibilidades porque contabilisticamente está sendo ofuscada pelo imobilizado. Já em dezembro de 2015 em assembleia municipal na discussão do orçamento para 2016 verificou-se a não explicação fatual aos deputados municipais do PSD de como a câmara de Gavião vai atingir vendas em valores superiores a 1 milhão de euros quando em 2015 o orçamento na mesma rúbrica era de apenas 120 mil euros.

 

Estes três apontamentos dizem-nos que financeiramente a autarquia de Gavião pode estar no ponto em que escolhe ir pelo caminho seguro ou pelo caminho inseguro, cheio de incertezas. Reforço esta mesma ideia sob as palavras parafraseadas do deputado municipal socialista João Valério há algum tempo em assembleia municipal “Não somos nós que o dizemos (Partido Socialista) é a Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas: a câmara municipal de Gavião está bem”. Temos hoje a mesma legitimidade para constatar que se em 2012 eramos classificados com o 10º (quadro R63.C) no Ranking Global dos 35 melhores municípios de pequena dimensão, em termos de eficiência financeira, em 2013 passamos a 13º e agora, em 2014 não constamos nem nos 35 melhores do país, nem no top 5 do distrito de Portalegre.

 

Saberá o sr. Presidente também quanto nós, PSD, das dificuldades que o maior empregador não estatal do município está a sofrer. Aliás o fazer parte da ordem de trabalhos de hoje, vários pedidos de apoio oriundos da Santa Casa da Misericórdia de Gavião, não é coincidência. O que nestes documentos não é dito é que para 2016 foi aprovado um orçamento com que se admite um resultado liquido negativo na ordem de grandeza dos 130 mil euros, não obstante de há dois anos para cá apresentar-se sempre saldo negativo nas contas de gestão. Infelizmente, parece-me que será outra vez o município a ter de amparar os problemas a bem da manutenção dos níveis de empregabilidade no nosso concelho, a bem do tecido familiar e social do nosso concelho.

 

Quero isto dizer que os cidadãos que votaram nos eleitos do PSD para que os representasse neste órgão da Câmara Municipal, não escondem a boa vontade que o atual presidente José Pio está para com a população, mas querem ter a garantia de um futuro sustentável, e para esse futuro cumprir-se não pode a parte financeira da câmara furtar-se, estando ela por sua vez doente e não podendo ajudar por sua vez outros, quiçá mais doentes.

 

Obrigado.

 

O vereador eleito pelo PSD

 

Paulo José Estrela Vitoriano Matos

 

 

publicado por Paulo José Matos às 16:04 | comentar | favorito
17
Jul 15

Intervenção Paulo Matos Comissão Politica Distrital Portalegre 16-07-2015

Paulo Matos reuniao CPD.jpg

 Portalegre, 16 de Julho de 2015 - 22:15h

 

Gostaria de cumprimentar todos companheiros presentes aqui na pessoa do presidente da CPD, Dr. Armando Varela,

Inicio a minha intervenção para vos dizer que “estar longe de Portalegre não quer significa que esteja afastado”, em particular aos problemas do distrito. Nessa medida peço-vos que não interpretem mal a minha intervenção mas interpretem-na como um contributo positivo.

 

Antes de mais, quero-vos dizer aqui, que 1/3 do que sou politicamente devo-o PSD Distrital de Portalegre que em 2009 me apoiou quase sem me conhecer. Ou seja, teve a irreverencia de apoiar um jovem a presidente de câmara, sabendo desde logo que à data seria o candidato do PSD mais novo em Portugal naquela posição. Muito Obrigado!

Sem falsas modéstias tenho também de dizer-vos que o outro 1/3 devo-o a mim próprio, que ao longo dos meus 6 anos de autarca fiz e faço sacrifícios, como por exemplo, ao abdicar das ferias pessoais decorrentes da minha atividade profissional no sector privado para me deslocar a Gavião  às reuniões de câmara e a outros eventos políticos que ocorrem no distrito de Portalegre patrocinados pelo PSD.

E por fim é com agrado que devo o restante 1/3 da minha força política aos gavionenses que acreditam em mim e na minha ação politica colocado a responsabilidade do seu voto sob os meus ombros.

Dito isto, gostaria de vos dar nota que no concelho do qual faço parte, durante um pouco mais de 3 anos tivemos um problema com a reorganização dos serviços de saúde distritais e que impedia os cidadãos de Gavião irem para Abrantes, como desde há muitos anos vinha a acontecer!

Só agora, em ano eleitoral o problema ficou resolvido. Eu estou solidário com os meus co-cidadãos, isto não poderia demorar tanto tempo a resolver-se!

Desta forma, é aqui neste espaço próprio que assumo que o perfil de deputado escolhido por representação do distrito de Portalegre deve ser combativo e se for preciso incomodativo! E para não estar a falar no abstrato, dou-vos um exemplo que aconteceu muito recentemente no dia 1 de Junho (2015). Duarte Marques  deu uma entrevista ao jornal “i” e sabem qual foi a capa do jornal desse dia? Pois escrevia o seguinte “Deputado do PSD contraria Passos Coelho” e “As pessoas envolvidas no BPN são uma vergonha para o PSD” e ainda “Dias Loureiro não é exemplo para ninguém em Portugal".

duarte marques capa jornal i.png

 
Dou-te os parabéns, Joaquim Lizardo pela iniciativa em colocares-te se à disponibilidade de ser cabeça de lista por Portalegre em nome do PSD.

 

Não só te felicito, como vou-te apoiar energeticamente, pois quem dá o peito às balas pelo PSD e em concelhos socialistas sabe que o combate é duro, mesmo a nível familiar, o Lizardo é alguém que já demonstrou ter coragem para os combates agressivos que se avizinham!


Temos de respeitar o candidato socialista por Portalegre já apresentado, o Dr Luís Testa, cumprimentando-o respeitosamente e à sua equipa. No tempo cronológico temos de avançar o mais depressa possível para apanhar o ritmo.


Caros companheiros, agradeço-vos a vossa paciência em me ouvirem e termino com uma frase de Sá Carneiro que se ouve pouco em Portalegre mas que queria que se ouvisse mais “A política envolve mudança, a política envolve risco!”

publicado por Paulo José Matos às 08:00 | comentar | favorito
11
Jul 15

Que perfil do candidato à Assembleia da Republica valorizará o norte alentejano e não apenas o PSD? Por Paulo Matos (Gavião)

 Que perfil de candidato à Assembleia da Republica valorizará o norte alentejano e não apenas o PSD?

 

Gavião, 11 de Julho de 2015


Caro concidadão norte alentejano,


Vou-te transmitir a minha opinião sobre a matriz ideológica e de ação que deve constar na base da escolha do perfil para candidato à assembleia da república nas legislativas de 2015 pelo círculo eleitoral de Portalegre.

 

Começo por lhe perguntar:

- Não é da opinião que devemos debater de forma sério e objetiva o perfil do candidato à assembleia da republica que nos irá representar nos próximos anos?

- Não deve alguém que representando o Partido Social Democrata representar de forma valorizada todos os norte alentejanos?


Dito isto, porque acredito que o caro concidadão também acredita  na figura de alguém que leve o debate da meritocracia a ferro e fogo e em simultâneo apresente-se com uma capacidade de lobby consistente e profícua nos lugares onde se decidem vidas e investimentos que as moldam anos a fio, no limite sem que disso se apercebam. Se encontrarmos essa pessoa, encontramos a Solução.

 

O investimento público “simples” e de aplicação “direta” promovido pelo Estado Português é e será cada vez menor mas a sua desmultiplicação em projetos privados, tornando-se num instrumento de alavancagem financeira reproduz sucessos de médio prazo e potenciará alguns de longo prazo.

 

Repara que eu vou dar-te um exemplo concreto do que acabo de dizer e que foi promovido por alguém que hoje pode não ser recomendável atendendo que está preso preventivamente com o aval de 33 juízes – o ex-primeiro ministro de Portugal – José Sócrates. Sócrates apoiou ativamente o distrito de Castelo Branco no interior de Portugal alavancado projetos tecnológicos da antiga Portugal Telecom na Covilhã, transferiu várias concessões de serviços à distancia do Estado Português de Lisboa para Castelo Branco (os famosos callcenters). Mas estes dois exemplos acontecem em simultâneo com o forte impulso da infraestrutura publica, nomeadamente a mobilidade sustentável das pessoas no sentido “Lisboa-Castelo Branco” derivado da eletrificação da ferrovia da beira baixa e com o crescimento exponencial (em quantidade e qualidade) dos alunos da Universidade da Beira Interior que fornecem mão de obra qualificada técnica e não técnica. Sócrates foi tão eficaz na colagem da PT ao distrito de Castelo Branco que nem a mudança de dono (agora Altice) fez recuar o uso daquelas infraestruturas que distam quase 300km de Lisboa, pelo contrário.
 
Então depois do exemplo que dei continuas a achar que fazer lobbing é mau ou é pecado?
 
Portugal ganhou mais integridade territorial com o sucesso no distrito de Castelo Branco. Porque não fazer o mesmo no distrito de Portalegre, não somos Portugal?
 
Recordo, já no longínquo o ano de 2007, em Portalegre, no qual Carlos Sezões, membro-fundador do Fórum Alentejo 2015, referia que “as tecnologias representam, para o Alentejo – região periférica em relação a Portugal e à Europa – uma oportunidade de desenvolvimento que não pode ser ignorada” e no mesmo painel da conferência, o Eng.º Mata Cáceres, à data Presidente da Câmara Municipal de Portalegre, apaixonava os ouvintes norte alentejanos ao falar da instalação de um fileira de empresas ligadas à área da saúde na zona industrial de Portalegre “e que seria o maior cluster de saúde no pais”. Neste local iriam ser concretizados desde tratamentos oncológicos, a cuidados paliativos ou ainda ao fabrico de medicamentos. Hoje, em 2015, Portalegre não tem cluster de saúde nem de serviços de base tecnológica, nem se imagina a ser o centro de nenhum cluster sequer…..
 
Procuro eu, pessoalmente, no nosso distrito quem tenha perfil para se encaixar neste papel e que tenha uma genuína ambição  para o distrito de Portalegre. Alguém que saiba fazer “bom” lobbing e que ao nunca esquecer os valores da meritocracia, ajude o distrito sem enriquecer ilicitamente, ou seja, não ponha o seu interesse pessoal acima do distrito que representa.
 
Acredito eu, que todos os militantes do PSD do distrito de Portalegre, os residentes e os exilados profissionalmente possam ser validados um a um se cabem neste perfil que nestas palavras simples defendo. Mas sou realista e aos poucos a lista irá restringir-se a quem é de facto figura pública ou não, nosso distrito e aqui teremos um desafio grande.

 

Reflita e concordará comigo, que este perfil é transversal aos cidadãos do norte alentejano indiferente da sua ideologia partidária pessoal, por isso será ainda mais importante para alcançar a vitória!

 

Viva o PSD

Viva Portalegre

Viva Portugal!

 

Paulo José Estrela Vitoriano de Matos

publicado por Paulo José Matos às 07:00 | comentar | favorito